O ministro Roberto Barroso e a revolução da brevidade: notas para uma teoria literária da boa escrita jurídica

Autores

  • Arnaldo Sampaio de Moraes Godoy Instituto de Educação Superior de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.25109/2525-328X.v.22.n.04.2023.3415

Palavras-chave:

Ministro Roberto Barroso. Redação jurídica. Teoria Literária. Direito e Literatura.

Resumo

O ensaio enfatiza as concepções do Ministro Roberto Barroso em relação à redação jurídica. Brevidade, clareza, objetividade e simplicidade são objetivos que propiciam bons argumentos e decisões efetivas. Com o objetivo de se alcançar altos niveis de comunicação e compreensão a redação jurídica deve ser submetida a permanente escrutínio, com vistas à obtenção de clareza.

 

Biografia do Autor

Arnaldo Sampaio de Moraes Godoy, Instituto de Educação Superior de Brasília

Doutorado em Filosofia do Direito e do Estado pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, Brasil(2002). Professor do Instituto de Educação Superior de Brasília , Brasil

Referências

BARBOSA, Rui, Obras Completas, Trabalhos Políticos, vol. II, 1872-1874, Tomo II. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1987.

BARROSO, Luís Roberto, Curso de Direito Constitucional Contemporâneo, os conceitos fundamentais e a construção do novo modelo, São Paulo: Saraiva, 2023. Atualizada com a colaboração de Patrícia Perrone Campos Mello.

BARROSO, Luís Roberto, Migalhas de Luís Roberto Barroso, São Paulo: Migalhas, 2016.

BARROSO, Luís Roberto, voto. Contribuição previdenciária sobre o salário-maternidade- STF- RE 576.967-PR, 2020.

BARROSO, Luís Roberto, voto. Convocação de audiência pública para discutir o Fundo Clima – STF- ADPF 708, 2020, c.

BARROSO, Luís Roberto, voto. Ensino Religioso nas Escolas Públicas- ADI- 4.439-DF, 2017.

BARROSO, Luís Roberto, voto. Recusa dos pais em vacinarem os filhos por motivo de convicção filosófica – STF- ARE 1.267.879, 2020, b.

BARROSO, Luís Roberto, Sem data venia, um olhar sobre o Brasil e o mundo, Rio de Janeiro: História Real, 2020, c.

BOYD WHITE, James. Justice as Translation. Chicago: The University of Chicago Press, 1994.

BOYD WHITE, James. The Legal Imagination. Chicago: The University of Chicago Press, 1985.

CALVO GONZÁLEZ, José (coord.). Lyberdad y Seguridad – la Fragilidad de los Derechos. Málaga: Sociedad Española de Filosofia Jurídica y Politica, 2006.

CALVO GONZÁLEZ, José. Derecho y Narración. Barcelona: Ariel Derecho, 1996.

CALVO GONZÁLEZ, José. El Discurso de los Hechos. Madrid: Tecnos, 1998.

CALVO GONZÁLEZ, José. La Justicia como Relato. Málaga: Ágora, 2002.

EAGLETON, Terry. Teoria da Literatura. Uma Introdução. São Paulo: Martins Fontes, 2006. Tradução de Waltensir Dutra.

FISH, Stanley. Is There a Text in this Class? Cambridge: Harvard University Press, 2003.

POSNER, Richard. Law and Literature. Cambridge: Harvard University

Downloads

Publicado

2023-12-13

Como Citar

SAMPAIO DE MORAES GODOY, A. O ministro Roberto Barroso e a revolução da brevidade: notas para uma teoria literária da boa escrita jurídica. REVISTA DA AGU, [S. l.], v. 22, n. 04, 2023. DOI: 10.25109/2525-328X.v.22.n.04.2023.3415. Disponível em: https://revistaagu.agu.gov.br/index.php/AGU/article/view/3415. Acesso em: 21 abr. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ | “Dez Anos do Ministro Luís Roberto Barroso no Supremo Tribunal Federal”