A RELATIVIZAÇÃO DA SOBERANIA DOS ESTADOS- MEMBROS NA UNIÃO EUROPEIA: ALGUM AS LIÇÕES PARA A CRIAÇÃO DE UM A CONSCIÊNCIA SUPRANACIONAL NA AMÉRICA LATINA

Autores

  • Diogo Luiz da Silva

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo realizar uma análise compreensiva do fenômeno supranacional Europeu, tanto do ponto de vista jurídico, à luz das relações internacionais, quanto do ponto de vista político, a partir do qual os pressupostos da integração indicam a relativização da soberania estatal como fator fundamental ao êxito do processo integracionista europeu. Partindo dessa premissa, a pesquisa permeia, sob diversos ângulos, o processo de integração europeu, o qual representa a vanguarda jurídico-institucional que revolucionou toda a história das relações internacionais, o que nos permite sugerir a necessidade de mudanças na concepção de soberania no âmbito da América Latina, em busca de soluções mais harmoniosas das diversas espécies de conflitos existentes dentro e fora de cada Estado, que empacam o progresso de integração dos países que compõem o continente latino-americano, com enfoque especial para o MERCOSUL. Enfim, o fenômeno supranacional europeu é analisado a partir da dimensão teleológica da integração, com vistas à coleta de lições para a criação de uma consciência supranacional na America Latina, não com vistas ao desaparecimento da unidade estatal, mas com o desiderato de priorizar os altos objetivos que circundam o fenômeno comunitário, justificando os métodos jurídicos audaciosos que serão necessários para implementá-los.

Biografia do Autor

Diogo Luiz da Silva

Procurador da Fazenda Nacional

Especialista em Direito Tributário, Direito Processual Civil e Direito Público

Referências

LIVROS:

ALMEIDA, José Carlos Moitinho. Direito Comunitário – a ordem jurídica

comunitária, as liberdades fundamentais na CEE. Centro de Publicações do

Ministério da Justiça, 1985.

BOSON, Gerson. Direito Internacional público. Belo Horizonte: Del Rey, 1994.

CAMPOS, João Mota de. Direito Comunitário: o direito institucional. 7. ed.

Lisboa: Fundação Galouste Gulenkian, 1995.

CAMPINS ERITJA, Mar. Proceso de integracion en la Unión Europea. Barcelona:

Jose Maria Bosch, SL, 1996.

referências Biblio gráficas

FORTE, Humberto. União Européia. Tradução de Ana Tereza Marino Falcão,

São Paulo: Malheiros, 1994.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

MALUF, Said. Teoria Geral do Estado. São Paulo: Saraiva, 1998.

MELLO, Celso Duvivier de Albuquerque. Direito internacional Público. 6. ed.

Rio de Janeiro: Freitas Bastos,1979.

______. Direito Internacional da integração. Rio de Janeiro: Renovar, 1996.

______. Direito Internacional econômico. Rio de Janeiro: Renovar, 1993.

MORAES, J. L. B. de. Soberania, direitos humanos e ingerência: problemas

fundamentais da ordem contemporânea. In: VENTURA, D. de F. L.(org.). O

Mercosul em Movimento. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1995.

PEREIRA NETO, Mário. Direito, política, economia das Comunidades Européias.

São Paulo: Aduneiras, 1994.

PEREIRA, José Gomes Sá. Direito comunitário institucional. Porto: Ecla, 1995.

QUADROS, Fausto de. Direito das Comunidades e Direito Internacional Público.

Lisboa: Almedina, 1991.

REIS, Márcio Monteiro. Mercosul, União Européia e Constituição – A integração

dos Estados e os Ordenamentos Jurídicos nacionais. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

REZEK, José Francisco. Direito Internacional público. São Paulo: Saraiva, 1996.

ROUSSEAU, J. J. O Contrato Social. Brasileira, 1989.

STELZER, Joana. União Européia e Supranacionalidade: Desafio ou Realidade?

Curitiba: Juruá , 2003.

TEIXEIRA, Antônio Fernando Dias. A natureza das Comunidades Européias.

Lisboa: Almedina, 1993.

TOSTES, Ana Paula B. União Européia: o poder político do direito. Rio de

Janeiro: Renovar, 2004.

OUTRAS FONTES DE CONSULTA:

Acórdão Costa/Enel, de 15.07.64, Processo 6/64, Col.1964. In: Relaciones entre

el derecho comunitário y el derecho nacional, p. 58.

COMUNIDADES EUROPÉIAS: COMISSÃO. O mercado interno em ação.

Serviços das publicações das Comunidades Européias,1991.

GOMES, Eduardo Biacchi. União Européia e Mercosul - Supranacionalidade

versus Intergovernabilidade. Âmbito Jurídico, Rio Grande, X, n. 46, out. 2007.

Disponível em: <http://www.ambito-juridico.com.br/site/index.php?n_

link=revista_artigos_leitura&artigo_id=2335>. Acesso em: 12 ago. 2014.

REIS, M. M. Mercosul, União Europeia e Constituição: a integração dos Estados

e os ordenamentos jurídicos nacionais. Rio de Janeiro: Renovar, 2001. Soberania

e Supranacionalidade. In: NOGUEIRA, R. Soberania e Supranacionalidade

Revista Jurídica, Brasília, v. 7, n. 76, dez. 2005 a jan. 2006.

SANTOS, M. A. Para diplomacia e integração regional no Mercosul: uma

análise da participação das entidades subnacionais no foro consultivo de

municípios, estados federados, departamentos e províncias do Mercosul no

período de 2009. Disponível em: <http://www.paradiplomacia.org/upload/

downloads/85068a675b15a42c76c10c9960166a97paradiplomacia%20e%20

integra%C3%87%C3%83o>. Acesso em: 06 set. 2014.

SILVA, M. A. da; ARCE, A.M. O Mercosul e os impactos econômicos e políticos da

adesão da Venezuela. 3° Encontro Nacional Abril, 2014.

Publicado

2014-10-30 — Atualizado em 2014-10-30

Versões

Como Citar

Silva, D. L. da. (2014). A RELATIVIZAÇÃO DA SOBERANIA DOS ESTADOS- MEMBROS NA UNIÃO EUROPEIA: ALGUM AS LIÇÕES PARA A CRIAÇÃO DE UM A CONSCIÊNCIA SUPRANACIONAL NA AMÉRICA LATINA. Publicações Da Escola Superior Da AGU, 1(35). Recuperado de https://revistaagu.agu.gov.br/index.php/EAGU/article/view/1248

Edição

Seção

ARTIGOS