A pesquisa jurídica no mestrado: uma introdução aos seus fundamentos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.25109/2525-328X.v.23.n.01.2024.3146

Palavras-chave:

Epistemologia. Teoria do Conhecimento. Metodologia da Pesquisa no Direito. Texto científico.

Resumo

Os cursos de graduação em Direito no Brasil, assim como, os cursos de pós-graduação lato sensu, as também denominadas Especializações, também, na área jurídica, não têm entre suas prioridades a pesquisa acadêmica, jurídico-científica, razão pela qual os alunos que ingressam na pós-graduação stricto sensu, mormente nos cursos de Mestrado, têm muito pouca familiaridade com conteúdos afetos à epistemologia e a metodologia da pesquisa no Direito. A partir de tal percepção, tem o presente artigo o objetivo de apresentar as principais categorias e conceitos ligados a esta temática, de maneira concatenada, conforme desenvolvidos quando do estudo da disciplina, como forma de facilitar a iniciação daqueles que se interessem pela elaboração do conhecimento cientificamente válido.

Biografia do Autor

Leonardo Marques, Advocacia-Geral da União

Docente Permanente da Programa de Mestrado em Direito e Afirmação de Vulneráveis da Universidade CEUMA. Doutor em Direito pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Advogado da União.

Claudio Guimarães, Universidade Federal do Maranhão

Docente Permanente da Pós-Graduação em Direito e Instituições do Sistema de Justiça da Universidade Federal do Maranhão e do Programa de Mestrado em Direito e Afirmação de Vulneráveis da Universidade CEUMA. Pós-Doutor pela Universidade de Lisboa. Doutor em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina e Doutor em Direito pela Universidade Federal de Pernambuco. Promotor de Justiça.

Andrea Lobato, Universidade Estadual do Maranhão

Doutora em Ciência da Literatura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ. Docente Permanente do Programa de Pós- Graduação em Letras da Universidade Estadual do Maranhão. Professora da Universidade CEUMA.

Referências

ADEODATO, João Maurício. Bases para uma Metodologia da Pesquisa em Direito. Revista da Faculdade de Direito de São Bernardo Do Campo, n. 4., 2015 Disponível em: <https://revistas.direitosbc.br/index.php/fdsbc/article/view/661> Acesso em 04 de janeiro de 2022.

ANDERY, Maria Amália Pie Abib et al. Para compreender a Ciência: Uma perspectiva histórica. 11. ed. Rio de Janeiro: EDUC, 2002.

ANDRADE, Vera Regina P. de. Dogmática Jurídica. Escorço de sua configuração e identidade. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1996.

BACHELARD, Gaston. O novo espírito científico. Lisboa: Edições 70, 1996.

BECKER, Howard S. A Epistemologia da pesquisa qualitativa. Revista de Estudos Empíricos em Direito, v. 1, n. 2, p. 184-199, julho de 2014.

BOMBASSARO, Luiz Carlos. As fronteiras da epistemologia: como se produz o conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1992.

CAMARA JUNIOR, Joaquim Mattoso. Manual de expressão oral e escrita. 7.ed. Petrópolis: Vozes, 1983.

CARVALHO, Alba Maria Pinho de. O exercício do ofício da pesquisa e o desafio da construção. In: BAPTISTA, Maria Manuel. (Org.). Cultura: Metodologias e Investigação. Coimbra: Ver o Verso, 2009, p. 117-136.

CEGALLA, Domingos Paschoal Dicionário de dificuldades da língua portuguesa. 4.ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2018.

COSTA, Alexandre Bernardino; ROCHA, Eduardo Gonçalves. Epistemologia e Pesquisa em Direito. In: BELLO, Enzo; ENGELMANN, Wilson. (Coord.). Metodologia da Pesquisa em Direito. Caxias do Sul: Educs, 2015.

CUNHA, José Ricardo. Epistemologias críticas do Direito. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2016.

DEMO, Pedro. Introdução à Metodologia da Ciência. São Paulo: Atlas,1983.

DINIZ, Maria Helena. Compêndio de Introdução à Ciência do Direito. São Paulo: Saraiva, 2005.

D’ONOFRIO, Salvatore. Metodologia do trabalho intelectual. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2000.

FARACO, Carlos Alberto; TEZZA, Cristovão. Prática de texto: para estudantes universitários. 24.ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

FERRAZ JÚNIOR, Tércio Sampaio. A ciência do direito. São Paulo: Atlas, 2010.

EPSTEIN, Lee; KING Gary. The rules of inference. The University of Chicago Law Review, v. 69, n. 1, 2002.

FEIJÓ, Ricardo. Metodologia e Filosofia da Ciência. Aplicação na Teoria Social e estudo de caso. São Paulo: Atlas, 2003.

FONSECA, Maria Guadalupe Piragibe da. Iniciação à pesquisa no direito: pelos caminhos do conhecimento e da invenção. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.

GUIMARÃES, Claudio Alberto Gabriel. Funções da pena privativa de liberdade no sistema penal capitalista. 2 ed., Rio de Janeiro: Revan, 2007.

GUSTIN, Miracy Barbosa de Sousa; DIAS, Maria Tereza Fonseca. (Re)pensando a pesquisa jurídica: teoria e prática. 4. ed. Belo Horizonte: Del Rey, 2013.

JAKOBSON, Roman. Linguística e comunicação. 22. ed. Trad. Izidoro Blikstein; José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix, 2010.

JAPIASSU, Hilton Ferreira. Introdução ao pensamento epistemológico. 4ª ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1986.

_____ ; MARCONDES, Danilo. Dicionário Básico de Filosofia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1969.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Editora Perspectiva, 2001.

MACEDO, Magda Helena Soares. Manual de Metodologia da Pesquisa Jurídica. 2. ed. Porto Alegre: Sagra Luzanno, 2001.

MACHADO, Anna Rachel; LOUSADA, Eliane; ABREU-TARDELLI, Lília Santos. Planejar gêneros acadêmicos: escrita científica, texto acadêmico, diário de pesquisa, metodologia. São Paulo: Parábola, 2005.

MACHADO SEGUNDO, Hugo de Brito. Por que Dogmática Jurídica? Rio de Janeiro: Forense, 2008

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de metodologia científica. 8. ed. São Paulo: Atlas, 2017.

MARQUES NETO, Agostinho Ramalho. A Ciência do Direito: conceito, objeto, método. Rio de Janeiro: Renovar, 2001.

MEDEIROS, João Bosco; TOMASI, Carolina. Ortografia: novo acordo ortográfico da língua portuguesa. São Paulo: Atlas, 2009.

______. Redação de artigos científicos: métodos de realização , seleção de periódicos, publicação. São Paulo: Atlas, 2016.

MEZAROBA, Orides; MONTEIRO, Cláudia Servilha. Manual de Metodologia e Pesquisa no Direito. 5ª ed. São Paulo: Editora Saraiva, 2009.

MINAYO, Maria Cecília de Sousa. (Org.). Pesquisa social. Teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2016.

MIRANTE, Daniela. Hans Kelsen: ruptura ou continuidade entre a Teoria Pura do Direito e a Teoria Geral das Normas. Revista Direito e Práxis. vol. 5, n. 8, 2014, p. 120-151.

MOLL. Luiza Helena Malta. Projeto de pesquisa em Direito. 2012. Disponível em: <https://egov.ufsc.br/portal/conteudo/projeto-de-pesquisa-em-direito>. Acesso em 04 de janeiro de 2022.

MOTTA-ROTH, Désirée; HENDGES, Graciela Rabuske. Produção textual na universidade. São Paulo: Parábola, 2010.

NOBRE, Marcos et al. O que é pesquisa em Direito? São Paulo: Quartier Latin, 2005.

OLIVEIRA, Luciano. Não fale do Código de Hamurabi. A pesquisa sociojurídica na pós-graduação em Direito. 2004. Disponível em: <https://www.academia.edu/33852279/N%C3%83O_FALE_DO_C%C3%93DIGO_DE_HAMUR%C3%81BI_A_pesquisa_s%C3%B3cio-jur%C3%ADdica_na_p%C3%B3s-gradua%C3%A7%C3%A3o_em_Direito>. Acesso em 12 de julho de 2021.

PIRES, Álvaro. Pesquisa Qualitativa e Sistema Penal. Podemos questionar os sistemas sociais? Sociologia Penal: sistema e experiência. Ottawa: Universidade de Ottawa, 2004.

REALE, Miguel. Filosofia do Direito. 12 ed. São Paulo: Saraiva, 1987.

_____ . O Direito como experiência. São Paulo: Saraiva, 2002.

SANTOS, Boaventura de Souza. Introdução a uma ciência pós-moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

SANTOS, Boaventura de Sousa.; MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010. 637 p

WOLKMER, Antônio Carlos. Introdução ao Pensamento Jurídico Crítico. 3ª. ed. São Paulo: Saraiva, 2001.

Downloads

Publicado

2024-03-27

Como Citar

MARQUES, L.; GUIMARÃES, C. .; LOBATO, A. A pesquisa jurídica no mestrado: uma introdução aos seus fundamentos. REVISTA DA AGU, [S. l.], v. 23, n. 01, 2024. DOI: 10.25109/2525-328X.v.23.n.01.2024.3146. Disponível em: https://revistaagu.agu.gov.br/index.php/AGU/article/view/3146. Acesso em: 28 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos